-A A +A
Campus de Goiabeiras, Vitória - ES

Síntese e Caracterização de Membrana Híbrida de Poliacrilonitrila e Quitosana Agregada Com Nanopartículas de Óxido de Zinco

Nome: Paulo Matheus Ferro Bernardo
Tipo: Dissertação de mestrado acadêmico
Data de publicação: 05/04/2017
Orientador:

Nomeordem decrescente Papel
Eloi Alves da Silva Filho Orientador

Banca:

Nomeordem decrescente Papel
Denise Rocco de Sena Examinador Externo
Eloi Alves da Silva Filho Orientador
Rosangela Cristina Barthus Examinador Interno

Resumo: Membranas poliméricas tem sido objeto de grandes desafios por parte da comunidade científica, e desde 1960 com o uso das membranas de celulose é que os avanços nessa área começaram a mudar o cenário de aplicação deste tipo de material, principalmente na parte de permeabilidade de gases, ultrafiltração no tratamento de água ou mesmo na adsorção de metais, de corantes ou outros tipos de compostos como fenol, etc. Membranas poliméricas são definidas como uma interface entre duas fases adjacentes atuando como barreiras seletivas regulando o transporte de substâncias entre dois compartimentos. Os processos de transporte por meio de da membrana são conhecidos por filtração por exclusão de tamanho molecular, por solubilidade (difusividade), nanofiltração, ultrafiltração, microfiltração, osmose reversa, pervaporação e eletrodiálise. A quitosana é um copolímero resultante da desacetilação da quitina, que por sua vez é largamente encontrada na natureza, em invertebrados, fungos e insetos. Por possuir vários grupos hidroxila (-OH) e agrupamentos amino (-NH2) a quitosana e seus derivados possuem também grande capacidade de adsorção de metais, o que contribui para o aumento de interesse de pesquisas que envolvam sistemas para tratamento de água ou recuperação de determinadas substâncias. O presente trabalho investiga a produção de membranas híbridas de poliacrilonitrila e quitosana, agregada com óxido de zinco e analisa as características dessas membranas. Foi observada a dificuldade de completa remoção de cálcio e cloreto de sódio durante o processo de extração e purificação da quitosana e, no que diz respeito às membranas, a quitosana confere, ao ser adicionada junto à poliacrilonitrila, uma membrana bem selada e homogênea. Com relação ao óxido de zinco, os poros assumem um valor intermediário entre os apresentados pela membrana de poliacrilonitrila pura e poliacrilonitrila-quitosana. Observou-se também o efeito violento da evaporação do solvente, que danifica consideravelmente as membranas, dependendo da temperatura utilizada.

Acesso ao documento

Transparência Pública
Acesso à informação

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Fernando Ferrari, 514 - Goiabeiras, Vitória - ES | CEP 29075-910